Vírus do roteador: o que é, como se instala e quais são os ‘sintomas’

Tecnicamente, ele não é um malware. Porém, leva um nome capaz de assustar. O chamado “vírus do roteador” aplica golpes de mestre, sem que o dono da máquina perceba, e “se instala” sorrateiro em um dispositivo crucial para a sua conexão com a Internet, porém totalmente vulnerável: o roteador Wi-Fi. Com o poder de mudar o endereço DNS e direcionar a navegação para sites falsos, os objetivos são vários e vão desde a exibição volumosa de anúncios, para lucrar com sistemas como Google Ads, até a instalação de softwares mal intencionados que roubam dados pessoais e bancários das vítimas.
Roteador pode ser infectado de duas maneiras
O golpe funciona com dois tipos de ataque. Um deles é remoto, sem interação com o dono do roteador. O computador nem precisa estar ligado e ninguém precisa clicar em nada. As mudanças ocorrem todas no dispositivo distribuidor de rede que, para funcionar, usa um software, o firmware, cheio de falhas.
“As pessoas não imaginam como uma mudança tão pequena pode afetar sua vida”, alerta Fabio Assolini, analista sênior de segurança da Kaspersky Lab, que detalhou os dois tipos de golpe.

O segundo tipo, é um ataque feito pela Internet e envolve interação. O usuário recebe um e-mail com um tema qualquer, com um link para um site. Muitas vezes, são usadas imagens de diferentes formatos de arquivo para executar os scripts em mensagens de e-mail. Exatamente por isso, grande parte das caixas de mensagem não abrem figuras de origens desconhecidas por padrão.
Na hora em que o internauta clica nesta URL (esteja em um foto ou em um texto), uma série de scripts entram em ação e dão um comando para alterar o DNS do roteador que usa senhas padrão, aquelas que já vem configuradas. Muita gente ainda faz isso, não troca a senha que vem da operadora por uma senha forte.
O que acontece com uma rede Wi-Fi infectada?
Com a mudança do DNS, o roteador vai direcionar toda a navegação de Internet para sites que o criminoso controla. Isso significa que não será notado nenhum vírus ativo no computador. Ele impacta em todos os dispositivo conectados, inclusive seu celular, conectado ao mesmo dispositivo de rede.
“Não fica nenhum vírus ativo na máquina. Por isso, tecnicamente, não classificamos isso como um malware”, explica Assolini.

O antivírus tem recursos que podem detectar a mudança de DNS, mas especialmente quando o usuário vai acessar sites de banco, pagamentos e conta online, que contam com uma camada a mais de proteção. Não existe, porém, um sintoma gritante e universal. O sinal mais confiável de que o usuário está com problema é que o cadeado de segurança de sites https desaparece. O DNS encaminha a navegação para um site falso, sem segurança, e rouba seus dados do banco, do e-mail, do que quiser.
Outro sintoma é a lentidão na navegação, pois você está compartilhando uma rede com várias outras vítimas. Em alguns ataques, o criminoso consegue evitar isso, sem deixar o computador lento. Quando há uma estrutura maior, o criminoso consegue administrar muita gente na mesma rede sem impacto.
Por que alguém faria isso?
Tudo depende do objetivo do criminoso. O golpe pode envolver banners de publicidade, ads e links maliciosos. Como resultado, o usuário vai começar a ver propagandas demais nos sites em que visita, em páginas que tradicionalmente não tem propagandas, como o Wikipédia, que vive de doações.
Além de roubar os dados financeiros e causar prejuízos às vítimas, golpistas aproveitam recursos como o AdSense, criam sites falsos cheios de propaganda, e lucram com os cliques que você dá neles.
É fácil perceber quando o foco é lucrar com anúncios. Normalmente, a propaganda aparece torta na versão desktop. Ou, no celular, o dono do aparelho começa a ver sites com propaganda versão desktop e não móvel. Smart TVs, videogames, tudo fica vulnerável se for um dispositivo conectado.

“É tão silencioso e tão fatal que pode controlar a navegação de todos os dispositivos”, alerta Assolini, ao apontar que todos os dispositivos domésticos são, normalmente, conectados a um mesmo roteador.
Como evitar ou se livrar do vírus do roteador?
Lembram dos dois tipos de ataque citados no início do texto? Eles fazem toda a diferença. No primeiro tipo, o criminoso está explorando alguma vulnerabilidade e só há um jeito de resolver, atualizando o firmware do roteador. As atualizações trazem correções de bugs e falhas de segurança.
Entretanto, a atualização do firmware não é muito usual, nem muito fácil. Se for mal feita, pode transformar o roteador em um tijolo e o dispositivo não vai mais funcionar em rede, com perda total. A primeira coisa a fazer sem pensar em firmware, é trocar o dispositivo de rede por um novo.

hyhy

Switches Cisco Nexus 6000 Series

Switches Cisco Nexus 6000 Series

Implantam até 96 portas de 40 GE ou 384 portas de 10 GE em um tamanho pequeno de quatro RU (unidades de rack)

Oferecem funcionalidade integrada e abrangente nas camadas 2 e 3, na velocidade de linha e baixa latência

Aumentam a eficiência, com suporte à arquitetura Cisco Fabric Extender (FEX) e um kit de ferramentas de análise abrangente

Oferecem suporte a FCoE de 40 GE para convergência de LAN e SAN
Ideais para implantações de agregação com restrição de acesso e espaço
kkk

5 formas de reduzir o estresse da equipe de TI .

Mesmo trabalhando sobre forte pressão, há como reduzir o estresse gerado por ela.

Um profissional estressado é aquele que passa por algumas situações no ambiente de trabalho que desencadeiam uma série de sintomas físicos e psicológicos. O estresse no trabalho pode ser provocado por diversos fatores, como o autoritarismo do chefe, a desconfiança, pressões e cobranças, falta de perspectiva de crescimento e falta de tempo para lazer, gerando no profissional efeitos negativos como dores de cabeça, problemas de digestão e no apetite, insônia, palpitações, gastrite, alergias, esgotamento físico, memória fraca, desmotivação, irritação, apatia, isolamento, entre outros. A área de tecnologia da informação sempre foi uma das mais estressantes do mercado, e nos dias atuais, em que a tecnologia desempenha um papel fundamental no mundo, esse estresse tem aumentado ainda mais, fazendo com que mais da metade dos profissionais da área se sintam descontentes com suas funções, segundo pesquisa realizada nos EUA. A complexidade e prazos a serem cumpridos na área de TI faz com que o trabalhador esteja sempre sob forte pressão e este fato pode – em alguns profissionais – despertar o sentimento de motivação. Entretanto, a maioria se sente desestimulado, gerando problemas de saúde e pessoais. Para que haja um controle e diminua o estresse destes profissionais algumas providências devem ser tomadas por parte dos gestores das empresas. Veja algumas: 1- Controle de horas trabalhadas A grande maioria dos profissionais de TI faz horas extras para resolver os problemas urgentes dos clientes. Todos os clientes apresentarão problemas, que para ele são urgentes e devem ser resolvidos naquela hora. É importante que tenha um superior que determine qual o grau de urgência de cada requisito e faça uma escala para que os profissionais consigam manter o foco. 2- Regras para trabalho e lazer O profissional de TI deve ser firme em impor aos amigos e família que pedem para que ele conserte seus computadores nas horas vagas, e gratuitamente, que não os fará quando estiver descansando e que quando o fizer haverá um custo. Esse descanso é fundamental, na hora que o funcionário está em casa em um momento de lazer. Além disso, o descanso no ambiente de trabalho também é importante: cinco minutos para o café, ou para se desligar um pouco do trabalho, faz com que este profissional volte mais focado, aliviando o estresse momentâneo. 3- Conduta para reclamações de cliente Muitas vezes, o cliente descarrega todo o seu descontentamento em cima do profissional de TI que está dando suporte para seu problema. É preciso que seja imposta – pelos gestores – uma conduta na qual toda reclamação e solicitação sejam feitas por requisição do cliente, que possa virar uma requisição de produto. Por meio desta chamada, o suporte conseguirá ajudar o cliente sem ter que lidar com a frustração e ira do cliente diretamente. É bom sempre lembrar que o cliente só está irritado pois algo que ele está pagando não está funcionando. Quem trabalha com TI lida sempre com resolução de desastres. Por isso, não levar para o pessoal o desabafo do cliente é algo que evitará mais estresse para o trabalhador. Cabe ao gestor compartilhar informações importantes com os trabalhadores, para que não haja dúvidas dos projetos e que cada um saiba de suas responsabilidades. Por último, os profissionais que atingirem os objetivos propostos precisam ser elogiados para que sempre se sintam motivados. 4- Investimento em bons equipamentos É importante que os superiores compreendam o trabalho de todos e entendam que é preciso investir em bons equipamentos, pois, cobrar de um profissional que ele cumpra as metas, com um orçamento apertado e sem apoio, torna o trabalho muito mais estressante. 5- Planejar, sempre Finalizando, para evitar o estresse no ambiente de trabalho de TI, é preciso um bom planejamento das atividades a serem desenvolvidas, para que os prazos não fiquem apertados. Para isso, é necessário que os requisitos que são solicitados e as suas prioridades sejam muito bem analisadas por quem irá definir estas prioridades, a fim de evitar muitas alterações e que o trabalho tenha que ser refeito. Com isso, haverá menos erros e menos pressão sobre o profissional.

yyy

Novas tecnologias e estratégias para otimizar a eficiência do Data Center

O aumento de consumo de tecnologia por parte de toda a população mundial estimula um novo conceito de Data Center, que deve atender o crescimento de dados e informações. A mobilidade deve ser levada em conta na hora desta promover essa reestruturação. Para conseguir suprir essa demanda, as tecnologias para Data Centers devem buscar baixos custos, eficiência, agilidade, sustentabilidade e alta disponibilidade para os clientes. A sustentabilidade é um destaque, pois, usando tecnologias voltadas para reduzir o consumo de energia e emissão de carbono, é possível melhorar o impacto no meio ambiente, na indústria e na comunidade. Uma das grandes limitações e preocupações nos centros de dados é a falta de espaço. Com estratégias para aperfeiçoá-los, os avanços tecnológicos têm permitido cada vez mais reduzir os espaços ocupados, permitindo que se gaste tempo e energia com outros fatores importantes além do espaço. Além disso, uma nova e importante tecnologia é muito utilizada para otimizar o desempenho: a Cloud Computing. Os impactos gerados pelos centros de dados no meio ambiente são muito grandes, devido ao grande consumo de eletricidade. No entanto, com a Cloud Computing, isso já começa a mudar, uma vez que essa tecnologia facilita o aumento da elasticidade e escalabilidade nos Data Centers, fatores necessários para o crescimento de tecnologias. Como a eficiência do Data Center é um dos trabalhos que mais tiram o sono dos gestores de tecnologia da informação, eles devem estar atualizados com as novidades do mercado para oferecer o melhor ao seu cliente. Esses profissionais devem entender para que lugar estão destinadas as demandas de energia e como podem otimizar estes recursos disponíveis. Ao otimizar estes recursos para o Data Center é necessário levar em conta as necessidades do ambiente. Há ferramentas que, além de melhorarem o processo de administração da infraestrutura, atuam no sentido de otimizar recursos valiosos do centro de dados. Para melhorar o layout, diminuir o consumo de energia, o fluxo de ar e evitar ações indesejáveis, por exemplo, é preciso usar plataformas inteligentes e escaláveis. Essas plataformas ajudam a capacitar a empresa e o Data Center a consumir menos energia e a reduzir custos com infraestrutura. Com isso, grandes empresas estão apostando nos Green Data Centers, ou seja, que não agridem tanto o meio ambiente e com isso vêm percebendo uma diminuição dos custos com energia. Os executivos das grandes organizações reconhecem que as novas tecnologias, a mobilidade, a Cloud Computing estão diretamente ligados ao desempenho do Data Center, impactando assim, as estratégias tradicionais. Para que haja uma transformação neste quesito, é necessário que sejam adotadas tecnologias inovadoras que poderão usar o Data Center como um fator competitivo e estratégico no mercado, produzindo uma grande agilidade comercial, aumentando os lucros e gerando novos modelos de negócios e de TI para as empresas, como implantar uma cultura mais preocupada com o meio ambiente, que tenha a preocupação com o impacto que um Data Center possa acarretar. Uma destas novas tecnologias mais impactantes no mercado atual é a virtualização. É possível notar que um número grande de servidores de produção e aplicativos das empresas já estão virtualizados, e a tendência é que isso cresça a cada dia. Assim sendo, os aplicativos passarão a ser armazenados em Nuvem em vez de ficar no Data Center, exigindo menos gastos de energia e poupando assim os recursos naturais do planeta. No entanto, existem algumas inseguranças e limitações que impedem que a virtualização deslanche rapidamente, como os custos, que são bem altos, e o medo de que não se tenha recursos de mão de obra qualificada, ou seja, profissionais que saibam operar estas novas tecnologias. Com isto, há uma grande resistência dos líderes em aderir a essas novidades. Ainda assim, as organizações que investem nessas novas tecnologias visando o crescimento e a sustentabilidade podem obter uma vantagem competitiva substancial. A Cloud Computing e a virtualização demostram que essas tecnologias podem ajudar a diminuir os custos e ser o primeiro passo para uma grande transformação empresarial. Conforme estas tecnologias são aplicadas de forma mais abrangentes nas empresas, os líderes das organizações e responsáveis de TI podem se dedicar em fazer com que o Data Center colabore com a inovação e com o crescimento da receita. O principal a ser feito, primeiramente, é mudar a mentalidade empresarial. Com este desafio, essas tecnologias oferecem novos meios de alcançar os objetivos comerciais de forma sustentável.

hhh

Cisco anuncia nova plataforma industrial para Internet das Coisas.

Cerca de 40 por cento das empresas serão deslocadas das suas posições no mercado nos próximos cinco anos, tudo em função da disrupção digital. De acordo com uma pesquisa realizada pelo Global Center for Digital Business Transformation, 75 por cento dessas empresas ainda precisam de lidar com este risco, priorizando a sua estratégia digital.

Com o objetivo de auxiliar os seus clientes nesta transição, a Cisco apresenta quatro novas soluções digitais para quatro setores da indústria: manufatura, transporte, serviços públicos e óleo e gás. As soluções visam ajudar os clientes a conectarem máquinas e ativos, romper os silos de informação e digitalizar os dados de forma integrada em toda a empresa.
A Cisco lançou também um portfólio de segurança específico para a Internet das Coisas (IoT, na sigla em inglês) na indústria. Os clientes poderão utilizar o novo Cisco IoT System Security e os serviços da companhia e de parceiros para mitigar o risco de interrupção de sistemas e garantir uma conformidade eficiente.
“A solução IoT System Security da Cisco traz um impacto imediato para os nossos clientes, acelerando a convergência IT-OT com uma solução de segurança de fim a fim, simplificando a conformidade e a mitigação de vetores de ameaças. Juntamente com a Cisco, vamos permitir que as operações industriais mantenham a sua integridade e a confidencialidade de rede, suportando estratégias holísticas de gestão de risco em empresas totalmente conectadas”, diz, em nota de imprensa, Sujeet Chand, vice-presidente senior e CTO da Rockwell Automation.
Para se manterem competitivos, os setores da indústria de manufatura, serviços públicos, óleo e gás e transporte precisam aumentar a sua produtividade, gerar maior valor e criar melhores experiências para os seus clientes e consumidores finais. Alguns dos maiores obstáculos da eficiência são os silos operacionais. Eles separam pessoas, máquinas, sistemas, informações e áreas completas de um negócio, separam a informação da operação. Só o rompimento destes silos com uma arquitetura mais holística e integrada é capaz de conectar pessoas, facilitar a comunicação e gerar maior agilidade de operação.
Shawn Rahn, vice-presidente da Presidio, Cisco Gold Partner em IoT, diz, no mesmo documento, que “o investimento da Cisco em soluções de segurança industrial visa assegurar que os seus clientes possam estabelecer portas de acesso, atendendo a requisitos fundamentais onde quer que seja necessário. As soluções também visam disponibilizar a primeira alternativa ‘Operations Up’ para dispositivos de segurança tradicionais, priorizando o tempo de atividade e a disponibilidade do sistema.”
jjj

9-beneficios-da-tecnologia-de-virtualizacao-de-desktops

Você já parou para pensar quanto usa da capacidade do seu computador? Pesquisas recentes feitas na área de TI apontaram que uma pessoa usa aproximadamente apenas 5% dessa capacidade. Com a virtualização de desktops o restante dessa capacidade da máquina poderá ser aproveitado por vários usuários ao mesmo tempo em um único computador. O procedimento é simples: cada usuário usa seu próprio aplicativo e tem seus arquivos com exclusividade, além de configurações e preferências, tudo sem o custo e peso de um computador dedicado. Assim, há economia de tempo e até dinheiro. Afinal o objetivo da virtualização são os ganhos de gerenciamento, disponibilidade do ambiente, segurança, padronização e diminuição de custos de aquisição e manutenção dos desktops, além da praticidade da mobilidade. Isso significa que a máquina passa a ser apenas o meio de acesso aos dados, ferramenta para mexer e alterá-los e no fim do expediente, todos os arquivos são armazenados em Nuvem, ao invés de guardados na máquina. A tecnologia que vem conquistando usuários tem uma série de benefícios. Seria difícil elencar todos, por isso reunimos os principais, lembrando que a virtualização é uma opção bem interessante para as empresas de todos os portes e de qualquer segmento. Confira abaixo o que pode mudar para melhor ao adotar a solução em desktops virtuais:

1- Economia Inicialmente um projeto de virtualização de desktop não é tão barato, mas no final do processo é possível sim ter uma economia. Parece contraditório? Mas não é. O motivo é simples: com a virtualização é possível fazer a compra de equipamentos mais básicos para as pontas. Isso porque o poder do processamento deverá ser concentrado no Data Center.

2- Uso de Thinclients Graças a virtualização é possível usar o Thinclient, ou seja, um computador projetado apenas para ser usado em ambiente de virtualização, pois o equipamento costuma ser mais simples em todos os sentidos, inclusive no que se refere à manutenção. Os Thinclient não têm peças móveis, como por exemplo, HD nem coollers. Por isso, são usados em ambientes mais básicos, com vibrações e até poeira. Além disso, se quebrarem, a substituição é simplificada, pois não possuem configurações nem dados para serem migrados.

3- Longevidade do servidor Quando a empresa tiver a necessidade de aumentar a estrutura, com a virtualização basta investir nos servidores, assim todos os usuários terão ganhos. Caso contrário, seria preciso investir em todas as máquinas individualmente, o que teria um custo significativamente maior.

4- Fácil administração Os desktops virtuais são criados a partir de templates de máquinas virtuais, que já possuem os softwares da empresa pré-instalados, Windows atualizado, antivírus e configurações de rede. Sendo assim, a administração e manutenção de conjunto fica mais fácil e o trabalho da área de TI é reduzido.

5- Estações padrões A virtualização proporciona também a padronização das estações por meio de templates. Com isso, a empresa que optar por virtualizar o desktop terá uniformização entre as máquinas, o que facilita o suporte, a interação entre usuários, o aprendizado e disponibilização de novas aplicações.

6- Mobilidade Outro benefício da virtualização de Desktops é a possibilidade de acesso em vários dispositivos, entre eles, tablets e smartphones. Assim o usuário pode sair do seu ambiente de trabalho e continuar conectado usando seu login e senha. Ele visualizará da mesma forma todas as informações e arquivos.

7- Sem limites na conexão Além da mobilidade um recurso interessante é a conexão ininterrupta. O usuário não precisa desligar seu desktop, ele pode se desconectar de um equipamento e se conectar em outro que as informações que estavam abertas continuarão lá. Quando ele reconectar em outro dispositivo, ele terá acesso aos mesmos aplicativos, com um tempo de reconexão muito mais rápido. É a chamada sincronização de dispositivos.

8- Armazenamento com segurança Todas as informações dos desktops ficam armazenadas nos servidores do Data Center. Isso permite a execução de backups centralizados, garantindo a disponibilidade dos dados. Lembrando que toda conexão é feita com criptografia, assim o risco de invasão ou vazamento de informações é bem reduzido.

9- Facilidades diversas A virtualização de desktop oferece inúmeras vantagens e benefícios como foi descrito acima. Mas, além disso, ela oferece também inúmeras facilidades, como por exemplo, a rápida distribuição de aplicativos, com total garantia de compatibilidade. Para isso, é preciso instalar o aplicativo no template padrão, fazer a replicação em todas as máquinas virtuais e o aplicativo estará instalado automaticamente para todos os usuários. Depois de conhecer resumidamente os benefícios da tecnologia da virtualização é hora de estudar se a tecnologia compensará para a sua empresa.

7676