Economia digital: sua empresa está preparada?

Poucas são as que se beneficiam com toda tecnologia a disposição.

A economia digital é definida como um novo modelo econômico baseado em Tecnologia da Informação e Comunicação. É o modelo que contrapõe as bases tradicionais, trazendo inovações em aumento de produtividade, diminuição de custo e acesso quase ilimitado às informações. De acordo com o relatório global da consultoria Accenture, que entrevistou mais de 3 mil executivos de TI em todo o mundo, 33% da economia global já é impactada pelo formato digital. 86% dos entrevistados acreditam também que o ritmo da mudança tecnológica vai se acelerar de forma exponencial a curto prazo, basicamente nos próximos três anos. Esses dados confirmam a necessidade das empresas se prepararem para investirem nas tecnologias disponíveis hoje no mercado, para que não percam a oportunidade de estarem na economia digital, pois, apesar da onipresença tecnológica e sua velocidade de mudança, muitas empresas não estão preparadas para aproveitarem seus benefícios. O primeiro passo para saber se está no caminho certo, é fazer um levantamento de quão tecnológica está a sua empresa e quais outras adaptações, inserções e investimentos podem ser feitos para melhorar a eficiência dos processos. O segundo passo é saber usufruir as tecnologias que poucos anos atrás eram dadas como tendência, como por exemplo, Computação em Nuvem, Redes Sociais e Mobilidade. São ferramentas e tecnologias que diminuem custos, que ajudam a empresa a fazer mais com menos. Outro ponto interessante para participar da economia digital é extrair informações valiosas para a estratégia do negócio a partir da exploração de dados externos, utilizando o Big Data, por exemplo, que ajuda a conhecer melhor o perfil de consumo dos clientes, apontando possíveis tendências de compra e é capaz de colaborar para que a empresa tome decisões mais certeiras. Também, a companhia deve se preocupar na automatização de seus processos. O que é feito hoje por uma pessoa e que pode passar a ser feito pela máquina? A partir da resposta para essa pergunta é possível incluir novas ferramentas e gerar novos processos para que o colaborador seja liberado para realizar outros tipos de tarefas. Neste caso, a Internet das Coisas pode ser uma grande aliada e as empresas precisam explorar esses recursos para potencializar seus negócios. A pesquisa da Accenture indica que essa questão de liberar a mão de obra para outras funções oferece melhores condições para criarem novos modelos de negócios, que impulsionam a revolução digital. As empresa que querem estar na economia digital podem capacitar a mão de obra para aprender novas habilidades continuamente, permitindo que explorem mais as tecnologias e revertam o aprendizado no próprio negócio, gerando maiores e melhores resultados. Além de toda a tecnologia empregada internamente, ela precisa estar relacionada com a cadeia produtiva também. Do que adianta estar super avançado em algumas questões, enquanto que fornecedores atrapalham a agilidade dos negócios e não utilizam todos os esforços que foram feitos pela sua empresa? Firmar parcerias com os fornecedores para que informações estejam padronizadas e alinhadas, facilita o dia-a-dia do trabalho. Por isso, é importante incentivar sua cadeia produtiva a caminhar tecnologicamente mais próximo dos seus padrões. Economia Digital beneficia especialmente pequenas empresas Ao oferecer baixos custos e facilidade em acessar clientes, fazer campanhas de marketing e buscar informações para seus bancos de dados, a Internet passou a ser um caminho natural para as pequenas empresas, que têm conseguido – diferente das grandes companhias – atender seu público com agilidade e flexibilidade. Por ter processos menos burocráticos e velocidade para se adaptar às mudanças digitais, os pequenos negócios levam vantagem nesse novo modelo econômico, quando sabem usufruir de forma inteligente dos benefícios trazidos pela tecnologia. As tecnologias digitais facilitaram e baratearam a criação e a gestão de um negócio, como por exemplo, a Computação em Nuvem, que diminui drasticamente os altos custos em infraestrutura em equipamentos de TI. Resumindo, acompanhar a mudança na forma de se fazer negócio é fundamental para se manter competitivo. Fazer um levantamento dos investimentos que são necessários hoje na empresa para incluir Mobilidade, Redes Sociais e Computação em Nuvem nos processos, assim como utilizar o Big Data para busca de informações, automatizar o máximo de processos possíveis, liberar a mão de obra para outras tarefas e ainda firmar parceiras com a cadeia produtiva, são grandes passos para a empresa que quer fazer parte dos índices positivos da economia digital.

ytyt

Como reaproveitar PCs e dispositivos móveis de forma segura?

Existem muitas possibilidades no mercado para reaproveitar equipamentos obsoletos, o importante é garantir sua segurança.

Antes de pensar em descartar seus computadores, celulares e dispositivos para se tornarem sucatas eletrônicas, saiba que é possível utilizar um pouco mais seus equipamentos – até mesmo para outras funções – ampliando a vida útil das máquinas, e consequentemente colaborando com o meio ambiente. Um computador, por exemplo, pode ser convertido em um servidor doméstico, centralizando arquivos que podem ser compartilhados por vários membros de uma mesma família. Ele pode ser usado também como cobaia para rodar programas que você sempre teve vontade, mas nunca coragem por inúmeras razões. O PC velho pode ser transformado também em um servidor para jogos multiplayer ou para jogar jogos antigos. Também pode ser aquele computador que todo mundo dá uma olhadinha no e-mail e que fique disponível em um lugar de movimento da casa. Se nenhuma dessas soluções te apetece, pode fazer uma doação para uma instituição educativa, que com certeza vai utilizar o equipamento em uma sala de aula de informática, se estiver em boas condições. Outra opção ainda é fazer um desmanche e utilizar as peças boas para montar um novo equipamento ou dar um upgrade em outro. Já entre os dispositivos móveis, com um pouco de criatividade, é possível ter um aparelho com novas funções. Eles podem se tornar, por exemplo, uma plataforma de jogo para os filhos, recebendo todos aqueles aplicativos que antes tomavam toda a sua memória. Também podem ser transformados em um GPS para o carro ou para treinos de corridas a pé, de bicicleta e outros esportes. Outra possibilidade é transformar o celular em câmera de segurança. Para todas essas opções existem aplicativos que podem ser baixados e que auxiliam na tarefa que precisar. Muito cuidado ao doar ou vender um aparelho Dependendo do estado da máquina ou smartphone, é possível vendê-los a outro usuário. Neste momento, cabem algumas dicas de segurança para fazer um backup seguro das suas informações e apagar rastros e informações de suas utilizações. As dicas valem também para quem pretende fazer o inverso, comprando uma máquina de segunda mão, que devem inspecionar se além de informações pessoais do antigo dono, não ficaram também vírus, spywares e malwares. Para os computadores, é preciso formatar completamente o disco rígido e reinstalar um sistema operacional desde o começo. Engana-se quem pensa que apenas apagando pastas e limpando a lixeira, significa que não existe mais rastro. Pessoas conhecedoras de tecnologia e mais experientes são capazes de restaurar dados apagados. Se a máquina em questão é um modelo que foi comprado pronto em uma loja, é preciso restaurar as configurações de fábrica usando o disco. Tanto para PC quanto para dispositivos móveis, é necessário primeiro fazer um backup completo, garantindo que todos os dados que não podem ser perdidos estejam armazenados em outro lugar. Seja em Nuvem, HDs externos ou mesmo outro disco rígido, que poderão transportar as informações para um novo computador. Na sequência, é importante desconectar o IP de todos serviços que costumava utilizar e que abriam automaticamente, como por exemplo, Skype, Dropbox, iTunes. Neste caso, especialmente os softwares de segurança. Pesquise, com o fabricante do seu equipamento, quais os recursos que ele oferece e indica para fazer uma limpeza completa na máquina ou smartphone. As empresas costumam disponibilizar tutoriais na internet que apontam passo a passo como excluir suas informações de uma vez por todas. Os dispositivos Apple iOS, por exemplo, têm recursos internos para apagar dados. Já a maioria dos dispositivos Android possui uma função de apagamento com redefinição de fábrica. Para quem vai adquirir uma máquina de segunda mão, interessante seria remover o disco rígido e instalar um novo. É a única forma de garantir que não existem malwares. Porém, como essa é possivelmente a última opção, uma recomendação é reinstalar tudo novamente, tendo que adquirir uma cópia de instalação do sistema operacional que escolher e dos softwares que for utilizar. Se não for uma das suas especialidades, não custa fazer um orçamento com um técnico que tenha conhecimento e possa fazer o serviço de forma mais rápida e segura.

dede

O departamento de TI como fator de inovação.

A inovação desenvolvida pela área de TI a transforma em parte fundamental dos negócios exaltando cada vez mais sua importância ao mercado.

O departamento de TI, que antes era solicitado e visto apenas como um suporte para soluções tecnológicas, agora é uma área que tem sua opinião muito requisitada na hora de mudanças e soluções inovadoras. Com a crescente de novas tecnologias no mundo, é preciso que as empresas estejam engajadas e atualizadas nessas emergentes tecnologias para oferecer as melhores soluções a seus colaboradores e clientes, e assim impulsionar a inovação tecnológica dentro da empresa. Nos dias de hoje, a tecnologia é um assunto global e não apenas dos especialistas na área. Os smartphones fizeram com que pessoas de todas as idades e classes sociais interagissem cada vez mais com a tecnologia, e com isso a cobrança de novas tecnologias e inovações não vem só de grandes empresas que usam esse tipo de serviço, mas de todo e qualquer ser humano que use telefone celular ou tablet conectado à internet. Para que o profissional de TI tenha inspiração para inovar, é preciso que ele tenha tempo e liberdade para isso. Algumas empresas grandes já fazem isso, mas nota-se que principalmente as startups já possuem uma equipe específica para criar novos produtos, uma prática que vem se tornando popular e trazendo resultados. Empresas grandes como Google e 3M Corp são bons exemplos disso. O resultado pode ser um novo produto ou recurso que alavanque a receita da empresa ou aumente a produtividade, ou mesmo os dois juntos. As empresas que separam um tempo de seus funcionários para deixar que eles criem e inovem, notam a mudança na motivação dos mesmos e os bons resultados que são colhidos. Uma limitação encontrada que não favorece esse tempo para inovar é que muitas empresas não podem simplesmente dar um tempo aos seus funcionários, pois a rotina intensa de trabalho do dia a dia não permite isso. Porém, mesmo assim, será preciso arrumar um forma de isso começar a acontecer. A área de TI se faz importante em programas de inovação pois sempre há coisas a serem melhoradas em produtos de software, que muitas vezes podem ser consertadas facilmente por um programador especialista, sem a necessidade de grandes equipamentos e espaço físico. Isso ganhou muita relevância com o recente ambiente de crise econômica mundial, o que fez os profissionais da área refletirem e precisarem do novo. Essa inovação fez com que empresas se consolidassem de forma mais eficiente e com melhores resultados. Depois que algo novo é criado, saber adequá-lo ao que o cliente precisa de forma rápida e com mais possibilidades que ofereçam o retorno esperado, faz com que a satisfação seja melhor e o reconhecimento de que esse setor é fundamental a uma empresa seja uma realidade. A tecnologia é cada vez mais indispensável aos negócios, estando tão inserida nesse contexto que é impossível imaginar em um futuro próximo com a TI não sendo peça fundamental, se não a mais importante, parte do negócio. A área de TI sendo vista apenas como uma área de suporte não existe mais, empresas que ainda não se deram conta disso perdem espaço no mercado, e precisam agir rapidamente para que sobrevivam. Algumas atitudes podem ser tomadas para que a inovação seja inserida e a área de TI seja importante para os negócios. Entre elas estão equilibrar o tempo de produtividade dos funcionários com a ideia de liberar a inovação, encorajar quem tenha o perfil de inovador a participar, acompanhar de perto o que está sendo desenvolvido, avaliar um possível programa de bonificação para os bons resultados. Apoiar a inovação nem sempre traz resultados rápidos, mas gerenciar isso e saber adequar o que está sendo feito com as expectativas esperadas, trarão crescimento a empresa. Ou seja, a tecnologia deve ser elevada para impulsionar a realização dos objetivos dos negócios, trazendo crescimento e satisfação a todos.

fifi

Roteador Cisco 2911/K9

Roteador Cisco 2911/K9
Part Number: CISCO2911/K9
Memoria RAM: 512 Mb
Memoria FLASH: 256 Mb
Throughput: 180.730 Mbps
Interface Ethernet: 3 GigabitEthernet 1000Base-TX
Slot Serial: 4 Serial EHWIC + 1 Modulo Service
O roteador CISCO 2911 foi desenvolvido para auxiliar na redução de custos operacionais, sua qualidade é adquirida através da inovação tecnológica.
O modelo de roteador CISCO 2911 tem a finalidade de acompanhar os avanços da tecnologia como módulos de serviço de alta potência, monitoramento de energia e um desempenho geral do sistema.

Através do roteador CISCO 2911 é possível dissociar a implantação de hardware e software proporcionando assim uma base flexível que se adapta com facilidade as futuras evoluções da rede.

O roteador CISCO 2911 é uma das quatro plataformas da série CISCO 2900 oferecendo aceleração de criptografia em hardware, voz e vídeo e serviços de aplicativos.

As plataformas como o roteador CISCO 2911 suportam uma quantidade maior de indústrias de fios e opções de conectividade sem fio.

O roteador CISCO 2911 proporciona serviços de integração com agilidade superior, todo o equipamento foi criado para poder adaptar-se a expansões futuras.

Com um sistema avançado o roteador CISCO 2911 consegue integrar vários serviços como voz, vídeo, wireless entre outros agregando maior segurança e uma significativa redução nos custos.

É incluso no roteador CISCO 2911 uma quantidade maior de memória padrão para suportar as novas capacidades.

Toda linha de roteadores da CISCO2900 como o roteador CISCO 2911 são projetados para atender as necessidades das empresas, sua capacidade de adaptação ao crescimento futuro das empresas e interfaces modulares com maior largura de banda entre outras vantagens fazem desse equipamento ter grande demanda no mercado.

O roteador CISCO 2911 oferece um sistema inteligente no controle do consumo de energia sem dúvida fator importante em tempos que tudo gira em torno da sustentabilidade.

Alimentados por alto desempenho multi-core o roteador CISCO 2911 pode suportar a crescente demanda de conexões de alta velocidade WAN e também execução de vários serviços simultaneamente
xx

16 dicas para identificar ameaças internas.

Homem e Tecnologia devem agir em conjunto para que haja uma boa segurança e percepção de ameaças internas.
Para que uma empresa tenha a capacidade de identificar as ameaças internas e também externas de uma forma proativa e que para que essa identificação ocorra nas fases iniciais do problema, é necessário que funcionários e sistemas sejam monitorados frequentemente para que os problemas sejam neutralizados o quanto antes e não causem maiores danos. A preocupação com ameaças externas já é algo corriqueiro na vida das empresas, porém, diante do crescimento de sabotagens que acontecem dentro das empresas, a preocupação com as ameaças internas é algo que se tornou relevante, ou pelo menos, deveria se tornar. Uma segurança eficiente é composta por um conjunto de pessoas, processos e tecnologias. Se não houver equilíbrio e sintonia entre esses três componentes, as empresas ficam mais vulneráveis a ataques e ameaças. Algumas atitudes importantes podem ser tomadas pelas empresas para que as ameaças internas sejam evitadas ou percebidas rapidamente quando ocorrerem e, assim, poder neutralizar o problema o quanto antes. 1- É preciso ter registro e controles eficientes de senhas e pontos de acesso, assim como ter uma documentação em dia da infraestrutura de sistemas. Esses arquivos devem ser mantidos dentro e fora das instalações, pois, se houver algum problema nas instalações, haverá um documento a ser consultado fora dela. 2- Possuir uma conta de acesso master, a qual somente poucos funcionários e de extrema confiança terão acesso. Dessa forma, a empresa consegue ter um alto nível de controle, não permitindo o acesso de qualquer colaborador ao seu sistema e evitando assim invasões ou ameaças. 3- Senhas administrativas devem ser controladas por um procedimento no qual nenhum funcionário consiga fazer modificações no sistema ao deixar a empresa. Se for necessário, esse tipo de acesso poderá ser supervisionado pelos responsáveis de TI. 4- É preciso definir limites e emitir alertas quando algum procedimento inesperado ocorrer na rede, algumas ferramentas de TI podem ajudar nesse processo, esse é um fator fundamental para a detecção de prováveis sabotagens. É necessário que se encontre o equilíbrio desse controle, para que também não tire da equipe de TI o poder que lhe é necessário para que executem seu trabalho. 5- Ter cautela ao acesso de terceiros a rede da empresa por meio da intranet, controlar e monitorar acesso de clientes, fornecedores ou terceirizados, para evitar que eles tragam problemas. 6- Além do monitoramento das contas dos usuários finais, o departamento de TI deve fazer uma auditoria regular do uso de contas de administrador, pois assim é possível assegurar que os dados sigilosos não caiam em mãos erradas. 7- Ficar atento a qualquer padrão estranho que apareça no tráfego DNS, pois pode ser um indício de ameaça. 8- Quando um malware for localizado, antes de deletá-lo é importante que seja averiguado como ele foi instalado, por onde passou e para onde ele foi, para que atitudes sejam tomadas a fim de evitar o próximo ataque. 9- É necessário observar e identificar as ferramentas de TI que estão sendo usadas em acesso remoto, pois o mau uso dessas ferramentas pode levar a consequências não intencionais e desastrosas. 10- Observar e localizar a primeira ocorrência de um evento faz com que se algo nunca tenha sido visto ou realizado antes, acenda um alerta de que pode ter algo errado e que isso pode ser uma potencial ameaça. 11- Mapear logs de autenticação de usuários, pois isso pode fazer com que se perceba ameaças caso usuários comecem a ter acessos suspeitos em um curto espaço de tempo. 12- Procurar e observar insiders e malware que não existem mais podem mostrar o caminho que foram percorridos e podem dar sinais dos objetivos que eles alcançaram, para assim conseguir evitar um próximo ataque desse tipo. 13- Outra forma de enganar e pegar invasores, é por meio de iscas e credenciais falsas. Dessa forma, é possível ver quando credenciais que não deveriam ser utilizadas são usadas. 14- Ter o controle e monitorar os ativos internos e o volume de dados faz com que equipes de TI possam ver rapidamente se estes dados estão sendo mal direcionados, evitando assim o roubo deles. 15- Outra forma de gerenciamento de ameaças é controlar os mapas de vários logins de um mesmo usuário em máquinas diferentes, pois dessa maneira os dados podem ser sincronizados e armazenados em Nuvem. Essa fonte poderia alavancar credenciais comprometidas do usuário para acessar os usuários em Nuvem, tornando esses dados vulneráveis e desprotegidos se o usuário estiver mal-intencionado. 16- Por fim, fazer constantemente o backup de dados e outros documentos importantes faz com que se tenha estratégias alternativas, caso aconteça uma invasão. Segurança exige atenção, monitoramento e dedicação. É preciso que o conjunto tecnologia e ser humano andem juntos para que se tenha um bom resultado. Melhorias e inovações para que haja uma boa segurança devem ser pensadas e aplicadas todos os dias para que o sucesso seja alcançado.
hhh

Por que a internet da minha empresa está lenta?

São vários os fatores que devem ser checados pela equipe de TI, entre eles, a configuração da rede.

A dependência da Internet no mundo corporativo é tamanha, que qualquer oscilação de sinal já é sentida pelo usuário final. As equipes de TI devem estar sempre a postos para identificar rapidamente a causa e fazer a manutenção necessária, uma vez que a produtividade de toda a empresa fica comprometida por uma queda do sinal. São várias as causas que podem atrapalhar o sinal da Internet, como: 1- Problemas no provedor Oscilações no clima, manutenções constantes na rede, questões técnicas, pouca estabilidade do sinal ou mesmo contrato errado com o provedor podem ser fatores que atrapalham a velocidade da Internet. O primeiro passo é checar qual o plano que a empresa tem em contrato e se é suficiente para atender a demanda de trabalho da companhia. Caso não seja, é hora de contratar um plano de dados maior, e também mais caro. Caso a instabilidade de sinal perdure por muito tempo, o momento é de pensar em trocar de provedor. 2- Problemas no roteador Se a empresa utiliza sinal de Wi-Fi para atender os dispositivos móveis e computadores, deve-se checar a posição física do roteador e avaliar se há muitos obstáculos entre o seu sinal e os aparelhos que alimenta. Também, reconhecer a qualidade do sinal que chega do provedor e como está sendo distribuído pelo roteador. 3- Vírus na rede Os vírus se multiplicam rapidamente nas máquinas apagando dados, capturando informações ou alterando o seu funcionamento normal. Antigamente contaminavam através de disquetes e arquivos, mas agora fluem pela Internet, via e-mails ou uso indevido de aplicativos e downloads, comprometendo o tráfego e a sua configuração. É importante manter um monitoramento sistemático, um software de antivírus atualizado, assim como o firewall, que bloqueia conexões suspeitas ou inseguras. 4- Utilização sobrecarregada da rede Todo o sistema de Internet pode estar sendo prejudicado por usuários que não são orientados sobre o uso correto do sinal. Download de vídeos e arquivos pesados, por exemplo, sobrecarregam a rede. Assim como navegar por portais que iniciam com pop ups e anúncios pesados que vão exigir mais da banda larga. O ideal é sensibilizar a equipe para assistirem vídeos que não estejam relacionados com o trabalho em horários fora do expediente e criar regras para download de arquivos. 5- Configuração errada As configurações do roteador e das máquinas estão atualizadas? Se estiverem, será que estão corretas? Uma checagem completa desses pontos faz toda a diferença na velocidade que a Internet vai chegar ao usuário final. Verifique qual o canal de roteador com menor fluxo de rede na região em que a empresa está localizada e, se necessário, escolha um com menos congestionamento. Repare as configurações utilizando programas específicos ou se quiser uma avaliação mais minuciosa, faça-a manualmente. 6- Site lento Depois de checadas todas as possibilidades anteriores, é possível que o erro esteja do outro lado da linha. Nos portais e sites que o usuário esteja acessando, que podem ser pesados e lentos para carregarem. Faça um teste trocando a página e veja se a velocidade se normaliza. Outras possibilidades, já alertadas aqui no Canal Comstor, devem ser checadas, para avaliar se o sinal de Wi-Fi não está com interferência. Veja se existem na empresa aparelhos eletrônicos conectados na mesma frequência do roteador e se estão fisicamente próximos; mude o canal do roteador para um que seja menos congestionado na região onde a empresa está localizada; verifique teclados, mouses e fones de ouvido que utilizam bluetooth, se não estão utilizando também a mesma faixa dos roteadores; tenha a certeza de questões de segurança elétrica, como a utilização de cabos e adaptadores regulamentados e, por fim, mantenha-se seguro, inviabilizando que muitas pessoas utilizem o mesmo sinal ao mesmo tempo, dividindo a capacidade da Internet.

bb